Avançar para o conteúdo principal

Noite de Santo António!

E dado que hoje é noite de Santo António e estou longe de Lisboa, não podia deixar de fazer aqui por casa um caldo verde! Provavelmente uma das sopas que mais gosto e este caldo verde é caseirinho, entregue pelo PROVE! Uma delicia!

Acho que nunca vos contei que quando era miúda tive uma ama chamada Bia. Estive com ela dos 4 aos 6 anos e confesso que nunca ninguém me marcou tanto como ela, adorava-a!

E foi com esta tenra idade que aprendi a fazer o melhor caldo verde do mundo e os melhores rissois de camarão do mundo. Claro que na altura não sabia escrever e não pude apontar a receita... E quando fui para a escola e ela faleceu, acabei por nunca ter tido a oportunidade de apontar tudo. Apesar de os fazer até à exaustão!

Quando fecho os olhos, consigo lembrar-me de cada pormenor de cada receita. Nunca conheci ninguém que cozinhasse como ela.

Para ela o caldo verde era cozido à parte do creme e só adicionado no momento de servir, regado com um fio de azeite. Assim garantia-se que não deixava de ser verde. E lembro-me com 4 anitos, agarrada a uma faca (espero que a minha mãe não esteja a ler isto) a cortar caldo verde de umas maravilhosas couves portuguesas... Bons tempos!

Realmente tempos em que havia tempo. Com a Bimby quaze consigo fazer parecido. Cozo o caldo verde na Varoma, ao vapor e quase me sabe àquelas paladares tão saudosos...

_______________________

Caldo verde da Bia

[serve 8 pessoas]


Ingredientes:

- 15 gr de alho (6 dentes)

- 60 gr de nabo

- 400 gr de batata (usei olho de perdiz que faz uma base mais cremosa)

- 1/2 cebola (80 gr)

- Sal e azeite qb

- 1,2 litros de água

- 120 gr de caldo verde

- chouriço a gosto


Preparação:

Coloque todos os ingredientes, com excepção do caldo verde e do chouriço, no copo da Bimby e programe 35 minutos, varoma, velocidade 1.

Escalde o caldo verde com água a ferver e coloque na varoma, bem como o chouriço cortado as rodelas. Vão cozer ao mesmo tempo que o resto do creme.

Findo o tempo, passe a sopa programando velocidades 3-5-7 durante 1 minuto. Prove e rectifique temperos.

No momento de servir, coloque o creme no prato, adicione a couve e rodelas de chouriço a gosto. Sirva com um fio de azeite.


Alternativa de Preparação:

Coloque a cozer as batatas, o nabo, a cebola e os dentes de alho em água temperada com sal e um fio de azeite.

Escalde o caldo verde com água a ferver e coloque a cozer numa panela à parte.

Quando os legumes estiverem cozidos, reduza a puré. Prove e rectifique temperos e se necessário junte um pouco de água. Adicione o chouriço às rodelas para acabar de cozer na sopa quente.

No momento de servir, coloque o creme no prato, adicione a couve e rodelas de chouriço a gosto. Sirva com um fio de azeite.


Nota: diz a tradição que se deve comer com uma fatia de broa e uma sardinha a pingar.

_____________________

 

 

Comentários

  1. Gosto muito de caldo verde! Este parece ser uma delícia!

    ResponderEliminar
  2. Parece que a Bia era uma cozinheira de mão cheia :) Mas este caldinho parece deveras delicioso!
    Beijinhos
    http://sudelicia.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  3. Gosto muito de caldo verde, mas dispenso o chouriço......o que me me cativa mais no caldo verde é o sabor acentuado a alho!!!
    Bjs e boa noite de S. João

    ResponderEliminar
  4. Maravilhoso caldo, hoje tambem o farei por aqui.

    beijinho

    ResponderEliminar
  5. Que memórias tão bonitas :) E que caldo verde tão apetitoso! :)

    Beijinhos e tem um bom resto de dia :D

    ResponderEliminar
  6. Olá...
    Que aspecto fantástico :).... E eu não gosto de caldo verde, mas vou ter que gostar :).....
    Beijocas...
    Leonor

    http://nacozinhadaleonor.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  7. Adoro Caldo Verde... Seu Blog é uma TENTAÇÃO... Huuuuuuummmmmm!!!
    Beijos Márcia (Rio de Janeiro - Brasil)

    http://decolherpracolher.blogspot.com

    ResponderEliminar
  8. Não é noite de festa popular sem um caldo verde!!!

    ResponderEliminar
  9. Oh querida...
    Memórias ternas que tens enraizadas...
    A Bia ficará decerto orgulhosa de ti e deste teu gesto ! :)
    E como era possível que já fizesses caldo verde e rissóis com essa idade ?
    De facto eram outros tempos... :)

    O teu caldo verde está lindos, as couves tão verdinhas... :)

    Beijinhos grandes

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Pão

Pão... Fazer pão sempre foi para mim uma arte, uma técnica basilar e por essa razão sempre gostei de fazer o meu próprio pão, de experimentar receitas novas, de usar ingredientes novos, novas combinações. Embora não seja nascido no Alentejo, a minha familia é toda alentejana, os sabores sempre foram alentejanos e é a gastronomia com que mais me identifico, de onde o pão é quase a sua base culinária. 
Termos aderido a um novo conceito de alimentação, onde o trigo não entra, fez-me repensar o pão. Apesar de não precisar de pão na minha dieta, somos bombardeados de todo o lado pelo pão... nas reportagens televisivas sobre a Páscoa, nos restaurantes, nas feiras, etc., por isso resolvi pegar nas farinhas aprovadas na alimentação paleo e fazer o meu próprio pão. 
Peguei nos vários conceitos que li sobre o pão, nas várias experiências falhadas nestes meses e produzi o meu Pão, sem glutén, sem trigo e saboroso... nham. Ficou um bocadinho achatado, mas acreditem que ótimo de sabor. 
E é com est…

Aguardentes & Licores

O ano passado lancei-me na 'arte' de fazer licores para oferecer nos cabazes de Natal. Comprei uma aguardente de boa qualidade e segui duas receitas publicadas na revista da Bimby "Momentos de Partilha". O resultado final foi muito apreciado pelos convivas a quem ofereci, já que por casa ninguém é apreciador de álcool, nem nas maçãs assadas (felizmente só se estraga uma casa) e por isso nem provamos o resultado final.Este ano tentei perceber um pouco mais sobre este universo das aguardentes (a base dos licores). Em jeito de 'Resumo' tenha em atenção o seguinte:O primeiro factor a ter em consideração, quando se faz um licor, tem a ver com o teor alcoólico da aguardente porque a quantidade de água e açúcar que se vai utilizar depende disso. Isto é, se tiver um teor de álcool de 40º, para 1 litro de aguardente, deve-se utilizar cerca de 500 gr de açúcar e 650 ml de água. Se tiver um teor de álcool de 70º, para 1 litro de aguardente, deve-se utilizar a mesma prop…

Cheesecake aldrabado

Se o mote da nossa vida fosse sempre simplificar, tudo seria mais simples... E delicioso.
Num destes finais de dia fiz Granola. Estava a arrefecer em cima da banca quando começamos a jantar. O cheirinho aromático fez-me ter vontade de improvisar algo para a sobremesa. 
Demorou pouco mais de 30 segundos. Sabia o que tinha no frigorífico. Requeijão de cabra, doce de morango e framboesa... Claro que só podia sair um cheesecake aldrabado. Não tivesse logo eu pensado nele quando comprei o requeijão e as framboesas... Embora estivesse longe de imaginar que a falta de tempo me impossibilitasse de fazer a versão tradicional mas fizesse chegar até mim uma alternativa à altura. O risco é só mesmo ser demasiado rápido de fazer e bom demais. Tão bom que enquanto eu tirava fotos do meu, o marido já estava a comer a segunda taça! Brutal!





Cheesecake aldrabado
Ingredientes: - Granola a gosto (ESTA) - requeijão de cabra a gosto - doce de morango e framboesa a gosto (ESTE) - framboesas para decorar
Preparação: E…