Avançar para o conteúdo principal

Noite de Santo António!

E dado que hoje é noite de Santo António e estou longe de Lisboa, não podia deixar de fazer aqui por casa um caldo verde! Provavelmente uma das sopas que mais gosto e este caldo verde é caseirinho, entregue pelo PROVE! Uma delicia!

Acho que nunca vos contei que quando era miúda tive uma ama chamada Bia. Estive com ela dos 4 aos 6 anos e confesso que nunca ninguém me marcou tanto como ela, adorava-a!

E foi com esta tenra idade que aprendi a fazer o melhor caldo verde do mundo e os melhores rissois de camarão do mundo. Claro que na altura não sabia escrever e não pude apontar a receita... E quando fui para a escola e ela faleceu, acabei por nunca ter tido a oportunidade de apontar tudo. Apesar de os fazer até à exaustão!

Quando fecho os olhos, consigo lembrar-me de cada pormenor de cada receita. Nunca conheci ninguém que cozinhasse como ela.

Para ela o caldo verde era cozido à parte do creme e só adicionado no momento de servir, regado com um fio de azeite. Assim garantia-se que não deixava de ser verde. E lembro-me com 4 anitos, agarrada a uma faca (espero que a minha mãe não esteja a ler isto) a cortar caldo verde de umas maravilhosas couves portuguesas... Bons tempos!

Realmente tempos em que havia tempo. Com a Bimby quaze consigo fazer parecido. Cozo o caldo verde na Varoma, ao vapor e quase me sabe àquelas paladares tão saudosos...

_______________________

Caldo verde da Bia

[serve 8 pessoas]


Ingredientes:

- 15 gr de alho (6 dentes)

- 60 gr de nabo

- 400 gr de batata (usei olho de perdiz que faz uma base mais cremosa)

- 1/2 cebola (80 gr)

- Sal e azeite qb

- 1,2 litros de água

- 120 gr de caldo verde

- chouriço a gosto


Preparação:

Coloque todos os ingredientes, com excepção do caldo verde e do chouriço, no copo da Bimby e programe 35 minutos, varoma, velocidade 1.

Escalde o caldo verde com água a ferver e coloque na varoma, bem como o chouriço cortado as rodelas. Vão cozer ao mesmo tempo que o resto do creme.

Findo o tempo, passe a sopa programando velocidades 3-5-7 durante 1 minuto. Prove e rectifique temperos.

No momento de servir, coloque o creme no prato, adicione a couve e rodelas de chouriço a gosto. Sirva com um fio de azeite.


Alternativa de Preparação:

Coloque a cozer as batatas, o nabo, a cebola e os dentes de alho em água temperada com sal e um fio de azeite.

Escalde o caldo verde com água a ferver e coloque a cozer numa panela à parte.

Quando os legumes estiverem cozidos, reduza a puré. Prove e rectifique temperos e se necessário junte um pouco de água. Adicione o chouriço às rodelas para acabar de cozer na sopa quente.

No momento de servir, coloque o creme no prato, adicione a couve e rodelas de chouriço a gosto. Sirva com um fio de azeite.


Nota: diz a tradição que se deve comer com uma fatia de broa e uma sardinha a pingar.

_____________________

 

 

Comentários

  1. Gosto muito de caldo verde! Este parece ser uma delícia!

    ResponderEliminar
  2. Parece que a Bia era uma cozinheira de mão cheia :) Mas este caldinho parece deveras delicioso!
    Beijinhos
    http://sudelicia.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  3. Gosto muito de caldo verde, mas dispenso o chouriço......o que me me cativa mais no caldo verde é o sabor acentuado a alho!!!
    Bjs e boa noite de S. João

    ResponderEliminar
  4. Maravilhoso caldo, hoje tambem o farei por aqui.

    beijinho

    ResponderEliminar
  5. Que memórias tão bonitas :) E que caldo verde tão apetitoso! :)

    Beijinhos e tem um bom resto de dia :D

    ResponderEliminar
  6. Olá...
    Que aspecto fantástico :).... E eu não gosto de caldo verde, mas vou ter que gostar :).....
    Beijocas...
    Leonor

    http://nacozinhadaleonor.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  7. Adoro Caldo Verde... Seu Blog é uma TENTAÇÃO... Huuuuuuummmmmm!!!
    Beijos Márcia (Rio de Janeiro - Brasil)

    http://decolherpracolher.blogspot.com

    ResponderEliminar
  8. Não é noite de festa popular sem um caldo verde!!!

    ResponderEliminar
  9. Oh querida...
    Memórias ternas que tens enraizadas...
    A Bia ficará decerto orgulhosa de ti e deste teu gesto ! :)
    E como era possível que já fizesses caldo verde e rissóis com essa idade ?
    De facto eram outros tempos... :)

    O teu caldo verde está lindos, as couves tão verdinhas... :)

    Beijinhos grandes

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Aguardentes & Licores

O ano passado lancei-me na 'arte' de fazer licores para oferecer nos cabazes de Natal. Comprei uma aguardente de boa qualidade e segui duas receitas publicadas na revista da Bimby "Momentos de Partilha". O resultado final foi muito apreciado pelos convivas a quem ofereci, já que por casa ninguém é apreciador de álcool, nem nas maçãs assadas (felizmente só se estraga uma casa) e por isso nem provamos o resultado final.Este ano tentei perceber um pouco mais sobre este universo das aguardentes (a base dos licores). Em jeito de 'Resumo' tenha em atenção o seguinte:O primeiro factor a ter em consideração, quando se faz um licor, tem a ver com o teor alcoólico da aguardente porque a quantidade de água e açúcar que se vai utilizar depende disso. Isto é, se tiver um teor de álcool de 40º, para 1 litro de aguardente, deve-se utilizar cerca de 500 gr de açúcar e 650 ml de água. Se tiver um teor de álcool de 70º, para 1 litro de aguardente, deve-se utilizar a mesma prop…

Molho cervejeira

Quem estuda economia ou gestão costuma falar sobre a curva de crescimento das empresas. Na verdade, todas as empresas têm o seu momento de crescimento, expansão e algures no tempo, a estagnação e a morte. Mais cedo, ou mais tarde, é o que acontece. Claro que há empresas que levam mais tempo do que outras a chegar ao declínio… Veja-se a Coca-cola, veja-se a MacDonalds… Independentemente da concorrência, são empresas com história que se mantêm até hoje como lideres, que ultrapassaram todos os momentos de expansão e contração da economia.Em minha opinião isto acontece por variadas razões, seja pela gestão, pelas ações de marketing, pela publicidade, mas acima de tudo, pelo segredo que os seus produtos encerram. Pela inovação que trouxeram quando chegaram ao mercado.Tentando passar isto para o panorama nacional, veja-se a Portugália e o seu molho que se mantém inalterado desde sempre (dizem). Passou de uma cervejaria de Lisboa, a uma cadeia de restaurantes espalhada por todo o país. Ainda…

Licor de framboesa

Já referi aqui algumas vezes o quanto os meus gostos têm mudado ao longo da vida. Disso foi esse exemplo este ano ter aprendido a gostar de maracujá e frutos vermelhos. Mas muitos outros exemplos houve e a verdade é que à medida que vamos evoluímos, os nossos gostos também evoluem.Para mim o grande salto aconteceu quando comecei a cozinhar. Não gostava de cebola, ervas aromáticas, pimentos, favas, cogumelos, enfim. A lista era infindável. E a verdade é que até mesmo carne de vaca, que já não comia há mais de 15 anos, por não suportar o sabor, no outro dia abri uma exceção num curso que fiz e… GOSTEI!O importante é termos a mente aberta e dar o primeiro passo para experimentar e insistir se necessário for. Porque só assim conseguimos tirar a teima se é simplesmente um ‘não gostar’ daqueles de quem nunca provou, ou um ‘não gostar’, à séria, de quem não suporta o ingrediente x ou y.As framboesas entraram na minha vida este ano. E era daquelas antipatias crónicas. Era comum ouvirem dizer-…