Avançar para o conteúdo principal

Francesinha

Este fim de semana foi particularmente inspirado em termos culinários. Há dias assim... São para contrabalançar aqueles outros em que mais vale estar quieta e não perder tempo.

Honestamente, dias assim são precisos! Quando as coisas correm menos bem na cozinha, isso acaba por se reflectir nos mais variados campos da minha vida... Sinto-me particularmente instável e insegura... Parece uma ligação improvável, mas é nestes pequenos sinais que percebo a importância da culinária na minha vida, percebo que é o outro lado do meu eu.

E foi num dia bom que nasceu a vontade de reinventar a Francesinha... Como já expliquei AQUI, não sou verdadeiramente apreciadora de carne. No entanto, sou gulosa... Gosto do queijo derretido, do pão torrado e das batatas fritas afogadas no molho... Mas é complicado sair para comer uma Francesinha em Lisboa (já por si só tarefa complicada) e pedir para tirar o bife, as salchichas e demais carnes que normalmente fazem parte do prato... É quase impossível evitar o ar verdadeiramente desconcertado e curioso do outro lado do balcão... Porque raio alguém que não gosta de carne pede uma Francesinha???

E assim nasce a versão da Pedra de Sal, a versão que sai da minha cozinha e agrada cá por casa. É uma versão que deixa espaço às mais diferentes combinações que queiram fazer... Adaptem ao vosso gosto.

__________________________

Francesinha à minha moda

[faz 3]


Ingredientes:

- 3 bifes de frango

- 3 fatias de bacon

- 6 fatias de um bom pão de forma*

- 3 fatias de fiambre de porco fumado **

- 12 fatias de queijo***

- 120 gr de espinafres

- 1 dente de alho

- 1 fio de azeite

- molho de Francesinha qb (receita AQUI)

- batatas fritas qb


* não utilize industrial.

** pode utilizar fiambre de porco normal, de Peru ou frango.

*** gosto de cheddar, mas pode utilizar flamengo ou outro do seu agrado.


Preparação:

Num grelhador de fogão torre o pão de um lado e do outro, apenas o suficiente para deixar as marcas. Retire e reserve.

Passe os bifes de frango no grelhador, bem como as fatias de bacon. Retire e reserve.

Numa frigideira anti-aderente coloque um fio de azeite e um dente de alho picado. Deixe alourar ligeiramente e salteie os espinafres. Retire e reserve.

Comece a montar a sandes. Num pirex de forno coloque pela seguinte ordem os ingredientes: uma fatia de pão, uma fatia de queijo, uma fatia de fiambre, 1/3 dos espinafres salteados, o bife de frango, a fatia de bacon, uma fatia de queijo e uma segunda fatia de pão. Termine com duas fatias de queijo. Repita o mesmo nas duas outras sandes.

Regue com molho de Francesinha qb e leve ao forno a gratinar (220º cerca de 10 minutos). Sirva quentinha com batatas fritas.

__________________________

 

Comentários

  1. Com um aspecto muito apetitoso :)
    Gostei muito.

    ResponderEliminar
  2. Se calhar assim já irei gostar de francesinha! Que aspecto delicioso!!

    ResponderEliminar
  3. Ai que delicia!
    Ficou um espanto.

    Beijinhos e boa semana;

    Aurea sá

    ResponderEliminar
  4. Adoro francesinha e tenho a certeza que ia gostar desta, ficou óptima! Só tinha que tirar os espinafres :)

    Beijinhos*

    ResponderEliminar
  5. Bom dia! Uma versão muito saborosa da francesinha! ;9
    Beijinhos
    Paula

    ResponderEliminar
  6. Olá, bom dia,
    Uma maravilha é o que é esta tua versão.
    Agrada-me sim e muiiiiito, pois ficou uma verdadeira delícia e até dá água na boca.
    Beijinhos,
    Lia.

    ResponderEliminar
  7. Eu fiz francesinha um destes dias, mas optei pela forma tradicional.
    Mas já ando a ficar enjoada de carne, esta tua versão agradou-me imenso :)
    beijinhos

    ResponderEliminar
  8. Que francesinha tão apetitosa:) Nunca fiz cá em casa, mas com esta tua receita deu-me vontade de experimentar:P

    Beijinhos,
    Joana

    ResponderEliminar
  9. Cá no Porto já podes escolher com bife de frango.
    Não punha os espinafres por não gostar, mas de resto adorei.

    ResponderEliminar
  10. Sou do Porto, e adoro uma bela francesinha! :D
    Mas confesso, que esta sugestão aqui deixada é uma MARAVILHA! Porque adoro espinafres..*

    ResponderEliminar
  11. Eheheheh! Eu tb adoro o molho e o queijo da francesinha, por isso faço o mesmo que tu, adapto aos gostos la de casa! :D
    Gostei bastante da tua sugestão ;)

    Beijinhos doces!

    ResponderEliminar
  12. Olá Sónia, muito obrigada por esta partilha. Acreditas que nunca comi uma francesinha? Devo ser a única pessoa do país que nunca comeu esta iguaria e não foi por falta de oportunidade pois ao longo da minha vida desloquei-me muitas vezes ao Porto, umas em trabalho e outras em lazer. Enfim, sou mesmo tonta.
    Agora é que vai ser pois vou experimentar esta tua versão.
    Beijinhos
    Maria

    ResponderEliminar
  13. Cá por casa tambem gostamos bastante e costumo fazer. Tenho a receita lá na minha cozinha se quiseres espreitar ;)
    Mas a proxima vai ser assim pois está com um aspecto divinal. Que tentação!!!

    ResponderEliminar
  14. Esta francesinha já era bem capaz de provar,porque das outras não sou grande apreciadora. A tua está ótima.
    Bj
    Márcia

    ResponderEliminar
  15. Nunca me aventurei a fazer francesinha em casa...mas depois de ver a tua fiquei com vontade de me aventurar!
    beijinhos

    ResponderEliminar
  16. Querida, ai o que eu me ri com a tua primeira frase...
    Nem sabes como fico piursa quando a coisa corre mal, acreditas que até as lágrimas me vêm aos olhos ? :-)
    Disparate eu sei, mas sou eu...

    Gulosa, hein ? Pois não tens mau gosto não... afinal de contas há prazeres na Vida dos quais não devemos abdicar... :)

    A tua versão da francesinha deixou-me com a pulguita atrás da orelha ! Está com um aspecto guloso e divinal !!! Esse molho todo também me tira do sério ! :)))

    A Mãe é do Norte e sempre me dou a mim própria o prazer de comer uma francesinha quando lá vou... há um local que sempre frequentamos lá na terrinha que as faz divinamente e é lá que vamos... adoramos, a filhota então delira !!!

    Mas olha que esta tua versão agradou-me muito e muito, talvez experimente um dia, se o fizer obviamente que te direi, querida ! :)

    Ah... desculpa a escrita longa, sou uma tagarela e se me descuido, em vez de um comentário, escrevo uma carta ! :)

    Beijinhos grandes

    Isabel
    www.blogdochocolate.com
    http://brisa-maritima.blogspot.pt

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Isabel agora fui eu que fiquei perdida de riso! Adoro as tuas visitas :-) adoro os teus comentários. Adoro os teus contributos. Mil obrigados por tanto carinho :-) e ja agora parabéns porque foste uma das vencedoras da Parmalat! Beijoca

      Eliminar
    2. Ah que bom, Sonia, agora fiquei eu aqui toda babada ! :)))

      Beijinho grande, boa terça feira !

      Eliminar
  17. Mil obrigados por tanto aconchego vosso que me deixam derretida com tantas comentários maravilhosos :-)

    ResponderEliminar
  18. Adoro!! Esta sugestão deixou-me curiosa, foge um pouco ao tradicional, mas eu não tenho problema nenhum com isso, adorava experimentar :) beijinhos

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Aguardentes & Licores

O ano passado lancei-me na 'arte' de fazer licores para oferecer nos cabazes de Natal. Comprei uma aguardente de boa qualidade e segui duas receitas publicadas na revista da Bimby "Momentos de Partilha". O resultado final foi muito apreciado pelos convivas a quem ofereci, já que por casa ninguém é apreciador de álcool, nem nas maçãs assadas (felizmente só se estraga uma casa) e por isso nem provamos o resultado final.Este ano tentei perceber um pouco mais sobre este universo das aguardentes (a base dos licores). Em jeito de 'Resumo' tenha em atenção o seguinte:O primeiro factor a ter em consideração, quando se faz um licor, tem a ver com o teor alcoólico da aguardente porque a quantidade de água e açúcar que se vai utilizar depende disso. Isto é, se tiver um teor de álcool de 40º, para 1 litro de aguardente, deve-se utilizar cerca de 500 gr de açúcar e 650 ml de água. Se tiver um teor de álcool de 70º, para 1 litro de aguardente, deve-se utilizar a mesma prop…

Molho cervejeira

Quem estuda economia ou gestão costuma falar sobre a curva de crescimento das empresas. Na verdade, todas as empresas têm o seu momento de crescimento, expansão e algures no tempo, a estagnação e a morte. Mais cedo, ou mais tarde, é o que acontece. Claro que há empresas que levam mais tempo do que outras a chegar ao declínio… Veja-se a Coca-cola, veja-se a MacDonalds… Independentemente da concorrência, são empresas com história que se mantêm até hoje como lideres, que ultrapassaram todos os momentos de expansão e contração da economia.Em minha opinião isto acontece por variadas razões, seja pela gestão, pelas ações de marketing, pela publicidade, mas acima de tudo, pelo segredo que os seus produtos encerram. Pela inovação que trouxeram quando chegaram ao mercado.Tentando passar isto para o panorama nacional, veja-se a Portugália e o seu molho que se mantém inalterado desde sempre (dizem). Passou de uma cervejaria de Lisboa, a uma cadeia de restaurantes espalhada por todo o país. Ainda…

Licor de framboesa

Já referi aqui algumas vezes o quanto os meus gostos têm mudado ao longo da vida. Disso foi esse exemplo este ano ter aprendido a gostar de maracujá e frutos vermelhos. Mas muitos outros exemplos houve e a verdade é que à medida que vamos evoluímos, os nossos gostos também evoluem.Para mim o grande salto aconteceu quando comecei a cozinhar. Não gostava de cebola, ervas aromáticas, pimentos, favas, cogumelos, enfim. A lista era infindável. E a verdade é que até mesmo carne de vaca, que já não comia há mais de 15 anos, por não suportar o sabor, no outro dia abri uma exceção num curso que fiz e… GOSTEI!O importante é termos a mente aberta e dar o primeiro passo para experimentar e insistir se necessário for. Porque só assim conseguimos tirar a teima se é simplesmente um ‘não gostar’ daqueles de quem nunca provou, ou um ‘não gostar’, à séria, de quem não suporta o ingrediente x ou y.As framboesas entraram na minha vida este ano. E era daquelas antipatias crónicas. Era comum ouvirem dizer-…