Avançar para o conteúdo principal

Gemelli - Dia Internacional das Massas

Hoje festeja-se o dia internacional das massas. E guardei para este dia partilhar convosco uma experiência única. No passado sábado tive o prazer de conhecer o Chef Augusto Gemelli num curso de "Massas", nada mais apropriado, verdade? Pois bem... Será, com certeza, uma experiência a recordar e a repetir futuramente.

Não foi a primeira vez que fiz um curso de culinária. E até tinha boa opinião geral sobre o panorama dos cursos realizados aqui por Lisboa. Fui inscrita pelo Mário e confesso que não ía com particular expectativa... Não me apetecia ocupar um sábado inteiro, abdicar de estar com ele e com a minha Joana, simplesmente para estar a cozinhar. Por mais que me dê prazer, prioridades são prioridades...

Pois bem... Este curso veio elevar, e muito, a fasquia. Foi uma experiência marcada pela positiva, pela diferença, pela entrega e especialmente pela humildade.

Não sei como é convosco, mas talvez porque admire muito a profissão de Chef e talvez fruto da distorção que nos chega dos programas de TV, sinto-me verdadeiramente intimidada na presença de um... Seja pela gíria excessiva utilizada em alguns cursos (que os faz sempre parecer muito profissionais e a nós verdadeiros nabos), seja pela forma expedita com que se mexem sempre na cozinha, a verdade é que a imagem que guardo de quase todos os Chefs com que me cruzei num curso de cozinha, é de alguém que esta num patamar bem acima do meu...

Pois bem, a envolvência com o Chef Gemelli é algo totalmente diferente. Sentimo-nos bem na sua cozinha, não nos sentimos intrusos... Sentimos que os produtos que usa não são muito diferentes dos que usamos em casa, apenas sabe fazer magia... O fascínio existe, mas não de cima para baixo, antes ao mesmo nível. É um Chef humilde, que se mexe na cozinha como peixe na água, mas de forma despretensiosa. Que ensina com mestria, com pedagogia... Porque ser Chef e ser formador, são coisas totalmente distintas... Ele distingue-se em ambas.

Foi um dia memorável, carregado de coisas novas, de experiências unicas e sem duvida de muito boa disposição. No final, lá ganhei coragem e pedi-lhe para tirar uma foto comigo. Foi a primeira vez que o fiz e confesso que estava muito envergonhada... Mas é um privilegio para mim ter conhecido pessoalmente este Chef e não quis perder a oportunidade.

Será, sem dúvida, para repetir a experiência... Para já, em calendário, há os seguintes cursos nas seguintes datas, para quem tiver interesse:

- A cozinha da Nona a 27 de Outubro

- A poupança na cozinha a 17 de Novembro

- Os mariscos de concha a 24 de Novembro

- Cozinha de autor a 8 de Dezembro

Para mais informações podem enviar um email para cursosdecozinha@augustogemelli.com.

Mas porque não só de formação vive o Chef Gemelli, quem não conhece o Restaurante Gemelli em Lisboa, não sabe o que anda a perder... A primeira vez que decidi ir, confesso que ia a medo... Já tinha ouvido criticas de todo o género e feitio... Algumas muito boas e outras verdadeiramente más...

Não é um restaurante para se comer esparguete à bolonhesa, é um restaurante de cozinha de autor, com raízes italianas, onde um jantar nunca é simplesmente um jantar... Aconselho vivamente os menus degustação. Não se surpreendam se forem servidos pelo Chef Gemelli (vão com certeza reconhecê-lo pelos seus quase dois metros de altura)... Até nisso é um Chef que marca pela diferença.

Apreciem a experiência... Será única com certeza... Fica a sugestão para festejarem o dia internacional da massa da melhor forma.

Para quem optar por ficar em casa, aqui no blog encontra inúmeras sugestões...

http://umapedradesal.blogspot.pt/search/label/Massas

Termino com uma foto de uma das receitas que aprendi a fazer no passado sábado e que fez sucesso aqui por casa...

______________________________________



 

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Aguardentes & Licores

O ano passado lancei-me na 'arte' de fazer licores para oferecer nos cabazes de Natal. Comprei uma aguardente de boa qualidade e segui duas receitas publicadas na revista da Bimby "Momentos de Partilha". O resultado final foi muito apreciado pelos convivas a quem ofereci, já que por casa ninguém é apreciador de álcool, nem nas maçãs assadas (felizmente só se estraga uma casa) e por isso nem provamos o resultado final.Este ano tentei perceber um pouco mais sobre este universo das aguardentes (a base dos licores). Em jeito de 'Resumo' tenha em atenção o seguinte:O primeiro factor a ter em consideração, quando se faz um licor, tem a ver com o teor alcoólico da aguardente porque a quantidade de água e açúcar que se vai utilizar depende disso. Isto é, se tiver um teor de álcool de 40º, para 1 litro de aguardente, deve-se utilizar cerca de 500 gr de açúcar e 650 ml de água. Se tiver um teor de álcool de 70º, para 1 litro de aguardente, deve-se utilizar a mesma prop…

Molho cervejeira

Quem estuda economia ou gestão costuma falar sobre a curva de crescimento das empresas. Na verdade, todas as empresas têm o seu momento de crescimento, expansão e algures no tempo, a estagnação e a morte. Mais cedo, ou mais tarde, é o que acontece. Claro que há empresas que levam mais tempo do que outras a chegar ao declínio… Veja-se a Coca-cola, veja-se a MacDonalds… Independentemente da concorrência, são empresas com história que se mantêm até hoje como lideres, que ultrapassaram todos os momentos de expansão e contração da economia.Em minha opinião isto acontece por variadas razões, seja pela gestão, pelas ações de marketing, pela publicidade, mas acima de tudo, pelo segredo que os seus produtos encerram. Pela inovação que trouxeram quando chegaram ao mercado.Tentando passar isto para o panorama nacional, veja-se a Portugália e o seu molho que se mantém inalterado desde sempre (dizem). Passou de uma cervejaria de Lisboa, a uma cadeia de restaurantes espalhada por todo o país. Ainda…

Licor de framboesa

Já referi aqui algumas vezes o quanto os meus gostos têm mudado ao longo da vida. Disso foi esse exemplo este ano ter aprendido a gostar de maracujá e frutos vermelhos. Mas muitos outros exemplos houve e a verdade é que à medida que vamos evoluímos, os nossos gostos também evoluem.Para mim o grande salto aconteceu quando comecei a cozinhar. Não gostava de cebola, ervas aromáticas, pimentos, favas, cogumelos, enfim. A lista era infindável. E a verdade é que até mesmo carne de vaca, que já não comia há mais de 15 anos, por não suportar o sabor, no outro dia abri uma exceção num curso que fiz e… GOSTEI!O importante é termos a mente aberta e dar o primeiro passo para experimentar e insistir se necessário for. Porque só assim conseguimos tirar a teima se é simplesmente um ‘não gostar’ daqueles de quem nunca provou, ou um ‘não gostar’, à séria, de quem não suporta o ingrediente x ou y.As framboesas entraram na minha vida este ano. E era daquelas antipatias crónicas. Era comum ouvirem dizer-…