Avançar para o conteúdo principal

Uma massa diferente

Na adolescência tive as minhas crises... Queria ser elegante e magra, queria ter uma pele impecável e um cabelo como o das modelos que apareciam nas capas das revistas...

E claro achava que tudo isto passava pela boca... Bem que tentava comer menos ou melhor, mas a minha mãe nunca alimentou estas coisas e na casa dela ninguém se levantava da mesa enquanto o prato não estivesse limpo. E muito menos se faziam pratos diferentes...

E se tudo isto já era terrível, para os meus objectivos de adolescente, eu sempre gostei de comer... E a minha mãe sempre cozinhou bem.

Um dia decidiu fazer um prato diferente do habitual, já que não era costume comermos pratos de massa lá por casa (a não ser esparguete cozida como acompanhamento).

Não faço ideia de qual a fonte desta receita, mas a verdade é que era sinónimo de um verdadeiro festim. Só mais tarde vim a saber o que tinha. Claro está que a minha mãe sabia que se me dissesse o que a massa levava eu faria fita para comer.

Seja como for, do alto das minhas certezas de adolescente sabia que se massa era tão boa, era porque tinha demasiadas calorias!

E não estava assim tão enganada... Raramente faço esta massa. Mas é tão boa que no outro dia deu-me para fazê-la. A da minha mãe é melhor... Porque não poupa como eu na gordura... Mas pelo menos fiquei com um pouco menos de remorsos...

______________________________________

Esparguete com peru e fiambre

[serve 4 pessoas]




Ingredientes:

- 500 gr de peru (cortado em strogonoff)

- 150 gr de fiambre (uma fatia única com 0,5 cm de altura)

- 3 dentes de alho

- 200 gr de natas de soja

- 2 colher de chá de paté de fígado (a minha mãe usa metade de uma lata)

- azeite qb

- sal qb

- 500 gr de esparguete (usei integral)

- orégão secos qb




Preparação:

Corte o fiambre em cubos. Tempere o peru com sal (se não comprar já em strogonoff, corte em tiras finas e estreitas para cozinhar mais rapidamente).

Numa frigideira larga anti-aderente coloque um fio de azeite e os dentes de alho cortados miudinhos. Adicione o peru e o fiambre e deixe alourar ligeiramente.

Numa tigela misture as natas com o paté de fígado. Junte à carne e desligue assim que começar a ferver. Se necessário rectifique temperos…

Coloque água a ferver com um punhado de sal e um fio de azeite. Assim que estiver a ferver adicione a esparguete e programe 8 minutos. Escorra e adicione à frigideira com a carne.

Sirva quente polvilhada com orégãos secos.

______________________________________





 

Comentários

  1. Eu adoro massas, e quanto mais calóricas melhor, é que é um stress!!!!!
    A que mostras está mesmo apetitosa.

    ResponderEliminar
  2. Mas há lá coisa melhor do que massa Luísa? :-) esta é um pecado mortal... :-)

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Pão

Pão... Fazer pão sempre foi para mim uma arte, uma técnica basilar e por essa razão sempre gostei de fazer o meu próprio pão, de experimentar receitas novas, de usar ingredientes novos, novas combinações. Embora não seja nascido no Alentejo, a minha familia é toda alentejana, os sabores sempre foram alentejanos e é a gastronomia com que mais me identifico, de onde o pão é quase a sua base culinária. 
Termos aderido a um novo conceito de alimentação, onde o trigo não entra, fez-me repensar o pão. Apesar de não precisar de pão na minha dieta, somos bombardeados de todo o lado pelo pão... nas reportagens televisivas sobre a Páscoa, nos restaurantes, nas feiras, etc., por isso resolvi pegar nas farinhas aprovadas na alimentação paleo e fazer o meu próprio pão. 
Peguei nos vários conceitos que li sobre o pão, nas várias experiências falhadas nestes meses e produzi o meu Pão, sem glutén, sem trigo e saboroso... nham. Ficou um bocadinho achatado, mas acreditem que ótimo de sabor. 
E é com est…

Aguardentes & Licores

O ano passado lancei-me na 'arte' de fazer licores para oferecer nos cabazes de Natal. Comprei uma aguardente de boa qualidade e segui duas receitas publicadas na revista da Bimby "Momentos de Partilha". O resultado final foi muito apreciado pelos convivas a quem ofereci, já que por casa ninguém é apreciador de álcool, nem nas maçãs assadas (felizmente só se estraga uma casa) e por isso nem provamos o resultado final.Este ano tentei perceber um pouco mais sobre este universo das aguardentes (a base dos licores). Em jeito de 'Resumo' tenha em atenção o seguinte:O primeiro factor a ter em consideração, quando se faz um licor, tem a ver com o teor alcoólico da aguardente porque a quantidade de água e açúcar que se vai utilizar depende disso. Isto é, se tiver um teor de álcool de 40º, para 1 litro de aguardente, deve-se utilizar cerca de 500 gr de açúcar e 650 ml de água. Se tiver um teor de álcool de 70º, para 1 litro de aguardente, deve-se utilizar a mesma prop…

Cheesecake aldrabado

Se o mote da nossa vida fosse sempre simplificar, tudo seria mais simples... E delicioso.
Num destes finais de dia fiz Granola. Estava a arrefecer em cima da banca quando começamos a jantar. O cheirinho aromático fez-me ter vontade de improvisar algo para a sobremesa. 
Demorou pouco mais de 30 segundos. Sabia o que tinha no frigorífico. Requeijão de cabra, doce de morango e framboesa... Claro que só podia sair um cheesecake aldrabado. Não tivesse logo eu pensado nele quando comprei o requeijão e as framboesas... Embora estivesse longe de imaginar que a falta de tempo me impossibilitasse de fazer a versão tradicional mas fizesse chegar até mim uma alternativa à altura. O risco é só mesmo ser demasiado rápido de fazer e bom demais. Tão bom que enquanto eu tirava fotos do meu, o marido já estava a comer a segunda taça! Brutal!





Cheesecake aldrabado
Ingredientes: - Granola a gosto (ESTA) - requeijão de cabra a gosto - doce de morango e framboesa a gosto (ESTE) - framboesas para decorar
Preparação: E…