Avançar para o conteúdo principal

Uma surpresa... Congelada!

Há muito tempo que não vou a uma praça ou a um hipermercado e não olhe com enorrrrrrmeeee desconfiança para o aspecto do polvo, lulas e chocos… Parece-me tudo ou descongelado ou quando não, muito pouco fresco… Lulas e chocos já só compro congelados e polvo deixei pura e simplesmente de comprar… Podia comprar congelado, mas, vá-se lá saber porquê, meti na cabeça que eram os restos, que não se conseguiam vender, que eram congelados… Puro engano… Resolvi arriscar, recomendada pela minha mãe e pelo Mário, e gostei! O preço não é muito mais elevado, mas com certeza a frescura é incomparável. Já não volto a comprar polvo de outra forma!

Costumo guardar para o fim-de-semana pratos mais demorados, mas honestamente este não demorou quase nada a fazer. E como o polvo era grandito, ainda deu para fazer uma saladinha de polvo para outra refeição. Acabaram por ser duas refeições bem económicas e para lá de saborosas… Aprovadíssimas pela trupe cá de casa!

_________________________________________

Arroz de Polvo

[serve 4 pessoas]

Ingredientes:

- 1,8 Kg de polvo
- 1 medida de arroz (200 gr e utilizo agulha)
- 3 medidas de água de cozedura (600 gr)
- 250 gr de tomate fresco
- 2 colheres de chá de polpa de tomate de compra
- 2 cebolas médias
- 5 dentes de alho
- 1 colher de chá de grãos de pimenta
- 5 cravinhos
- 5 folhas de sálvia
- 2 hastes de poejo
- 1 mão cheia de coentros
- 2 hastes de hortelã
- 1 mão cheia de cebolinho
- 2 folhas de louro
- Azeite qb
- 1 colher de chá de sal (uso marinho)
- Salsa picadinha qb para finalizar

Preparação:

Descongele o polvo. Coloque o polvo na panela de pressão e cubra com água (+ ou – três dedos acima). Adicione uma cebola e dois dentes de alho com casca bem lavados, as ervas aromáticas (sálvia, poejo, coentros, hortelã, cebolinho, uma folha de louro) e os temperos (sal, grãos de pimenta, cravinho). Feche a tampa e coloque a cozer em lume forte. Assim que começar a ferver (e a saída de ar começar a rodar), coloque em lume médio/baixo e contabilize 20 minutos (eu utilizo a técnica do “olfacto”, isto é, assim que me cheirar a cebola cozida, está pronto). Claro está que o tempo depende muito da qualidade e tamanho do polvo.

Desligue e assim que sair toda a pressão retire o polvo. Reserve a água de cozedura, coada.

Num tacho coloque uma cebola e três dentes de alho picadinhos. Adicione o azeite e uma folha de louro e deixe refogar um pouco, mexendo ocasionalmente. Tire a casca ao tomate e as sementes e pique fininho juntando ao refogado. Adicione a polpa de tomate e deixe apurar cerca de 2 minutos.

Adicione a água de cozedura do polvo (se não tiver a quantidade necessária complete com água) e quando estiver a ferver junte o arroz lavado. Programe 8 minutos e mexa só para não agarrar no fundo.

Corte o polvo em pedaços mais pequenos (eu reservei 4 patas grandes para outra refeição) e junte ao arroz a dois minutos do final do tempo. Rectifique temperos (dê o devido desconto de sal porque as ervas aromáticas já ‘salgam’ um pouco).

Desligue e deixe repousar 2 minutos. Sirva com salsa polvilhada por cima.

_________________________________________

 

Comentários

  1. Se nao for indiscrição onde comprou o polvo? Sou agente bimby e o seu blogue foi uma agradável surpresa. Vou recomendar as colegas. Para a próxima tem que fazer o polvo na Bimby :) beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Comprei o polvo no Pingo Doce. Fico contente por o blog estar a ser uma boa surpresa, quer para a comunidade Bimby, quer para os restantes que não podem ter ou não querem (não sabem o que perdem :-)) sempre que posso faço tudo na Bimby, mas não consegui que o bicho colaborasse comigo... Tinha 1,8kg e não o consegui enfiar lá dentro... Mas quando comprar um mais pequeno vou fazer a experiência, fica a promessa! Obrigado pela partilha.

      Eliminar
  2. Realmente quando o animal nao colabora nao podemos contraria-lo:) Quem nao quer ter uma Bimby nao quer por 2 motivos, ou nao estava destinado ou nao tem a capacidade de entender o Ferrari que pode ter na cozinha, e como nao e para todos conduzir Ferraris... Só nos e que sabemos ;)
    Devo dizer que já me apeteceu experimentar tudo mas por enquanto ainda só fiz duas receitas mas nao fico por aqui!!! Continuação de um excelente trabalho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigado. Aguardo feedback relativamente às receitas que vai experimentando :-)

      Eliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Aguardentes & Licores

O ano passado lancei-me na 'arte' de fazer licores para oferecer nos cabazes de Natal. Comprei uma aguardente de boa qualidade e segui duas receitas publicadas na revista da Bimby "Momentos de Partilha". O resultado final foi muito apreciado pelos convivas a quem ofereci, já que por casa ninguém é apreciador de álcool, nem nas maçãs assadas (felizmente só se estraga uma casa) e por isso nem provamos o resultado final.Este ano tentei perceber um pouco mais sobre este universo das aguardentes (a base dos licores). Em jeito de 'Resumo' tenha em atenção o seguinte:O primeiro factor a ter em consideração, quando se faz um licor, tem a ver com o teor alcoólico da aguardente porque a quantidade de água e açúcar que se vai utilizar depende disso. Isto é, se tiver um teor de álcool de 40º, para 1 litro de aguardente, deve-se utilizar cerca de 500 gr de açúcar e 650 ml de água. Se tiver um teor de álcool de 70º, para 1 litro de aguardente, deve-se utilizar a mesma prop…

Pão

Pão... Fazer pão sempre foi para mim uma arte, uma técnica basilar e por essa razão sempre gostei de fazer o meu próprio pão, de experimentar receitas novas, de usar ingredientes novos, novas combinações. Embora não seja nascido no Alentejo, a minha familia é toda alentejana, os sabores sempre foram alentejanos e é a gastronomia com que mais me identifico, de onde o pão é quase a sua base culinária. 
Termos aderido a um novo conceito de alimentação, onde o trigo não entra, fez-me repensar o pão. Apesar de não precisar de pão na minha dieta, somos bombardeados de todo o lado pelo pão... nas reportagens televisivas sobre a Páscoa, nos restaurantes, nas feiras, etc., por isso resolvi pegar nas farinhas aprovadas na alimentação paleo e fazer o meu próprio pão. 
Peguei nos vários conceitos que li sobre o pão, nas várias experiências falhadas nestes meses e produzi o meu Pão, sem glutén, sem trigo e saboroso... nham. Ficou um bocadinho achatado, mas acreditem que ótimo de sabor. 
E é com est…

Cheesecake aldrabado

Se o mote da nossa vida fosse sempre simplificar, tudo seria mais simples... E delicioso.
Num destes finais de dia fiz Granola. Estava a arrefecer em cima da banca quando começamos a jantar. O cheirinho aromático fez-me ter vontade de improvisar algo para a sobremesa. 
Demorou pouco mais de 30 segundos. Sabia o que tinha no frigorífico. Requeijão de cabra, doce de morango e framboesa... Claro que só podia sair um cheesecake aldrabado. Não tivesse logo eu pensado nele quando comprei o requeijão e as framboesas... Embora estivesse longe de imaginar que a falta de tempo me impossibilitasse de fazer a versão tradicional mas fizesse chegar até mim uma alternativa à altura. O risco é só mesmo ser demasiado rápido de fazer e bom demais. Tão bom que enquanto eu tirava fotos do meu, o marido já estava a comer a segunda taça! Brutal!





Cheesecake aldrabado
Ingredientes: - Granola a gosto (ESTA) - requeijão de cabra a gosto - doce de morango e framboesa a gosto (ESTE) - framboesas para decorar
Preparação: E…