Avançar para o conteúdo principal

Um passeio

Há já algum tempo que andava para experimentar um turismo rural... Confesso que estava com algum receio. Por vezes tem mais de rural do que turístico... E refugiam-se um pouco no conceito rural, para justificarem a falta de infra-estruturas ou mesmo de preparação para acolher turistas.


O que me fascina no conceito de turismo rural é o isolamento, o barulho da natureza, o ar puro... A simplicidade das coisas simples a que nem damos conta no corre corre dos dias.

No início do mês tive a minha primeira experiência com um agro-turismo. Os comentários deixados no booking e o título do 'melhor pequeno-almoço do mundo' conquistaram-me... Bem... Fica para os lados de Odemira. Não serve almoços nem jantares... Mas honestamente quando vi que a opinião era unânime em relação ao pequeno-almoço, confesso que reservei de imediato... O Mário não percebe esta minha tara... Costuma dizer 'porquê essa obsessão com o pequeno-almoço se depois comes sempre leite com café e torradas?' Ele tem razão, mas garanto que houve locais cujo leite com café e torradas ficaram-me na memória pelas melhores razões e outros que nem por isso...

Além disso guardo sempre a esperança de encontrar um sitio onde me sinta tentada a provar outras coisas :-).

Pois bem... Encontrei o paraíso dos Pequenos-almoços! Já não bastava o sitio ser maravilhoso em todos os sentidos, como pela primeira vez não comi torradas nem bebi café com leite...

Desde os scones quentinhos, aos doces caseiros, sumo de laranja natural acabado de espremer e servido com toda a simpatia do mundo pelos anfitriões... Aos queijos e carnes da região... Ao pão maravilhoso, bolos caseiros, ovos mexidos caseiros com bacon e salsichas, saídos da frigideira directamente para o prato. Havia todo um conjunto de iguarias que nem em hotéis de 5 estrelas tive o prazer de provar. Senti-me verdadeiramente mimada! Porque tudo o que foi servido transbordava amor e quando as coisas são feitas com amor, não há comparação...

Claro que havia leite com café... E torradas... Mas nem lhes toquei... O pequeno almoço ia sendo feito e ia sendo oferecido à mesa, com tanta simpatia pelos donos, que era impossível recusar! Mas houve um ponto alto: quando serviram um batido de abacate (!!). Nem queria acreditar... Abacate é a minha fruta FAVORITA! Quem diria que em Odemira experimentava algo tão incrivelmente bom?? Claro está que não descansei enquanto a Dona Margarida não me disse quais eram os segredos daquela bebida fantástica...

Este post é a minha forma de homenagear aquele espaço... A Quinta do Chocaquilho é daqueles locais que têm o condão de nos fazer sentir em casa. Voltarei em breve... Para mais uns dedos de conversa, umas festas nos burricos. Para dar de comer às galinhas e às cabrinhas anãs, ver como estão as novas culturas ou simplesmente descansar... Obrigado pela hospitalidade e por marcarem a diferença!

___________________________________________

Batido de Abacate

[serve 4 pessoas]

Ingredientes:

- 250 gr de abacate (peso da polpa)

- 55 gr de iogurte natural (1/2 iogurte + ou -)

- 800 gr de leite magro fresco

- 100 gr de açúcar


Preparação:

Descasque os abacates e coloque no copo da Bimby com o açúcar e o iogurte. Programe 10 segundos, velocidade 4. Junte o leite e programe 1 minuto, velocidade 9.

Alternativa de preparação:

Descasque os abacates e coloque num copo liquidificador com o açúcar e o iogurte. Dê alguns toques de turbo sópara triturar a fruta. Junte o leite e emulsione bem, cerca de 1 minuto.

Nota: acompanhei este batido com uma tosta mista de pão guloso, que tinha congelado. Não há palavras, hum....

___________________________________________

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Aguardentes & Licores

O ano passado lancei-me na 'arte' de fazer licores para oferecer nos cabazes de Natal. Comprei uma aguardente de boa qualidade e segui duas receitas publicadas na revista da Bimby "Momentos de Partilha". O resultado final foi muito apreciado pelos convivas a quem ofereci, já que por casa ninguém é apreciador de álcool, nem nas maçãs assadas (felizmente só se estraga uma casa) e por isso nem provamos o resultado final.Este ano tentei perceber um pouco mais sobre este universo das aguardentes (a base dos licores). Em jeito de 'Resumo' tenha em atenção o seguinte:O primeiro factor a ter em consideração, quando se faz um licor, tem a ver com o teor alcoólico da aguardente porque a quantidade de água e açúcar que se vai utilizar depende disso. Isto é, se tiver um teor de álcool de 40º, para 1 litro de aguardente, deve-se utilizar cerca de 500 gr de açúcar e 650 ml de água. Se tiver um teor de álcool de 70º, para 1 litro de aguardente, deve-se utilizar a mesma prop…

Molho cervejeira

Quem estuda economia ou gestão costuma falar sobre a curva de crescimento das empresas. Na verdade, todas as empresas têm o seu momento de crescimento, expansão e algures no tempo, a estagnação e a morte. Mais cedo, ou mais tarde, é o que acontece. Claro que há empresas que levam mais tempo do que outras a chegar ao declínio… Veja-se a Coca-cola, veja-se a MacDonalds… Independentemente da concorrência, são empresas com história que se mantêm até hoje como lideres, que ultrapassaram todos os momentos de expansão e contração da economia.Em minha opinião isto acontece por variadas razões, seja pela gestão, pelas ações de marketing, pela publicidade, mas acima de tudo, pelo segredo que os seus produtos encerram. Pela inovação que trouxeram quando chegaram ao mercado.Tentando passar isto para o panorama nacional, veja-se a Portugália e o seu molho que se mantém inalterado desde sempre (dizem). Passou de uma cervejaria de Lisboa, a uma cadeia de restaurantes espalhada por todo o país. Ainda…

Tarte de maçã

Quando percebemos que este é o tipo de alimentação em que nos revemos uma das preocupações surgiu com as visitas para jantar. O que servir? 
Na verdade os amigos já mostram curiosidade assim que percebem que mudamos a forma de comer, embora achem que é uma moda passageira. Ainda assim, quando nos convidaram a primeira vez para almoçar ficaram apreensivos e ligaram a perguntar o que nos podiam servir ao almoço. Estavam verdadeiramente preocupados...
Claro que lhes explicamos que podiam fazer uma carne ou um peixe porque a única coisa que mudava era o acompanhamento. Aproveitei e ofereci-me para levar uma salada, que por sinal foi do agrado de todos, e ajudou a derrubar barreiras.
Num destes dias surgiu um jantar improvisado cá por casa com uns amigos de que gostamos muito. Para finalizar uma refeição soberba, que acho que foi do agrado de todos, fizemos uma tarte de maçã. Dizia-me a minha amiga "não sei como tens tantas ideias, eu nem sei por onde começar". Eu partilhei o meu se…